Belo Horizonte

XCIV dia

Collocar batom, possivelmente muito vermelho, e sair de casa. Encontrar alguem maluco como eu, pedir uma foto e sorrir abraçados juntos.

A receita da felicidade por hoje foi simplex e bem legal!

Advertisements

XCI dia

Perdi dois dias felizes. Não mantive fé nesse empenho. Mas por dois dias fiquei cega.

Fiz a cirurgia. Por enquanto o meu olho esquerdo está salvo, saudável, mas costurado para ser protegido da radioterapia. O direito, infelizmente ficou afetado por uma estúpida alergia. Mas nesse tempo nas sombras, descubri muitas mais coisas que eu nunca descubri olhando.

Descubri o que significa depender completamente de alguem, não conseguir andar sozinha, não poder ler, não poder pegar coisas para mim mesma. Descubri o que significa confiar cegamente. 

Hoje que recuperei a visão no olho direito, pedi para o meu marido de me trazer em um lugar lindo. Fomos para o Mirante de Belo Horizonte. A beleza é a riqueza do mundo. Espero poder sempre vê-la.

LXX dia

Adoro Belo Horizonte. Um simples passeio se vira na possibilidade de encarar uma beleza que, as vezes, tira o meu folego.

Hoje, eu e o meu marido fomos para o Circuito Cultural de Praça da Liberdade, para ver a exposição sobre o Mondrian. Nunca gostei muito do seu estilo, mas ver, ao vivo, aquelas pinturas, cheias de história, me emocionou muito.

LXV dia

Hoje percebi que estou ficando velha. Não é nada que concerne a minha idade, as rugas do rosto o a capacidade de me mexer. Tem a ver com algo dentro de mim. Aquelas coisas que um tempo eu achava engraçadas, agora me parecem chatas…ou nojentas. 

E espero que isso não seja ruim. Não quer me virar uma velha que murmura sobre tudo. Espero que em mim permaneça aquela veia de juventude, como o rio que ainda escorre debaixo dessa cidade.

XXXIV dia

image

Tarde super legal! Partecipei de um encontro de escritores, chamado existe o amor em BH. Lindo ouvir histórias, conheçer pessoas, trocar de ideais. Passei também muito tempo com a Flavia, uma colega da oficina de criação literario. Foi uma ocasião para se coneçer de um jeito mais profundo e adorei. Na verdade com ela foi simpatia desde o primeiro encontro. Depois do café e do passeio juntas acho que posso dizer que agora tenho uma nova querida amiga.

Decimo dia

image

Hoje de manhã tive a honra de participar a uma palestra sobre o teatro napoletano, na academia mineira das letras. Que bom ouvir falar a minha lingua, o meu “dialetto” e também assistir a apresentação de um pedaço de uma obra sobre o terremoto que atingiu a minha região quando a minha mãe estava gravida de mim.
As vesez a beleza da própria patria se aprecia mais com a distância, come se a alma, até que fica aí, não consegue enxergar direitinho o que tem na frente.
Depois voltei pra casa, pronta pra sair novamente. Na tarde tive marcada a consulta com o oncologista. Não estavo triste. Não posso. Então, quando recebi uma mensagem de uma minha amiga que me falava que ela estava triste e não sabia porque, fiquei um pouco chateada e talvez zangada. Porque falar comigo sobre a tristeza? O que ela tem? Acho que antes de comunicar uma coisa triste para uma outra pessoa precisa parar um momento e considerar que aquela pessoa pode estar passando por algo pior.
Por isso, eu preferi ignorà-la.
Assim foi para o oncologista. Nunca é bom passar por algo assim. Nunca é bom visitar esse tipo de lugar. Nunca é bom viver esse tipo de medo. Mas acho aue eu sou muito sortuda porque estou viva e vou ficar por muito tempo. Então, esso afinal foi um outro dia feliz!